Implante Ocular para tratar Cegueira
  • Um implante intraocular desenvolvido pelo Hospital das Clínicas de Ribeirão Preto (HCFMRP), da Universidade de São Paulo (USP), se mostrou eficaz para tratar doenças que podem provocar cegueira. O implante tem aproximadamente o tamanho da ponta de um lápis e é formado pela associação de um componente biodegradável (PLGA) associado a um medicamento, neste caso, a dexametasona. Implantado dentro do olho, a inovação libera gradativamente o medicamento, o que garante que o fármaco se dissolva no olho durante um período de seis meses sem necessidade do uso diário de colírios ou medicamentos orais.
 
  • Fruto de dez anos de pesquisa, a novidade foi testada com sucesso em dez pacientes que participaram do estudo clínico no HCFMRP. Os resultados mostraram que a inovação atua em doenças vasculares da retina que levam à redução da visão e, em casos mais avançados, à cegueira, informou a universidade em comunicado. A técnica foi desenvolvida por uma equipe comandada pelo oftalmologista Rubens Siqueira especialmente para tratar uveíte, retinopatia diabética, toxoplasmose ocular, degeneração macular (relacionada à idade), retinite por citomegalovírus e endoftalmite.
 
  • O trabalho contou ainda com a participação da Faculdade de Farmácia da Universidade Federal de Minas Gerais (UFMG). O professor Rodrigo Jorge, que também participa da pesquisa, declarou que, uma vez aprovado, o tratamento poderá beneficiar vários pacientes com diversas doenças da retina, que afetam principalmente a população mais idosa, entre 50 e 70 anos. Ainda de acordo com o professor, essas doenças atingem cerca de 30 milhões de pessoas atualmente no Brasil.
 
  • A ideia inicial é de que o tratamento seja destinado a doenças da retina, porém o implante poderá futuramente ser utilizado também no tratamento de doenças em outros órgãos e tecidos do corpo. O Brasil ainda não possui qualquer tecnologia similar. Nos Estados Unidos e na Europa, no entanto, um dispositivo semelhante, chamado de OZURDEX, custa cerca de R$ 6,2 mil, mas a venda ainda não foi liberada no Brasil. O preço da nova tecnologia ainda não foi definido. Contudo, o professor Rubens Siqueira acredita que a grande vantagem do produto nacional com relação ao estrangeiro será o custo mais baixo e a maior facilidade de implantação no olho, pois foi desenvolvido com um diâmetro menor que o produto importado.
 
  • O implante intraocular também beneficiará à medicina veterinária. Além do tratamento oftalmológico, ele poderá atuar em outras doenças, utilizando o mesmo sistema de liberação de fármacos. Uma das vantagens é a facilidade de aplicação, nos animais domésticos. Já nos selvagens, criados em zoológicos ou criadouros, onde a contenção para tratamento pode apresentar risco de morte para algumas espécies, os sistemas de liberação de fármacos podem ser decisivos para manutenção da visão ou cura de doenças. Outro benefício é a possibilidade de liberar apenas a quantidade exata de medicamento, permitindo maior eficiência no controle de doenças. Doenças oculares representam até 80% dos casos de oftalmopatias diagnosticados em caninos, felinos, equinos e bovinos. Os resultados do estudo foram apresentados neste ano durante o Congresso Internacional da Sociedade Americana de Especialistas em Retina, que aconteceu em Toronto, no Canadá.
 
  • fonte - ADVSJP / Associação dos Deficientes Visuais de São José dos Pinhais
Redes Sociais:
Visitantes: 143

Deixe um comentário

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *