Autismo – Organização da Sala de Aula
  • Os alunos autistas respondem bem aos sistemas organizados. O professor deve organizar a sala de aula para efetivamente conseguir ensinar os alunos.
 
  • Antes de explorar um pouco mais o uso da organização na sala de aula, será útil rever rapidamente algumas das dificuldades da criança autista e como elas apontam para a necessidade de uma organização, quando se busca sucesso no ensino. Dificuldades de linguagem receptiva (compreensão das mensagens ouvidas) é característica do autismo. Muitas vezes o aluno pode não entender a mensagem quando o professor está acreditando que ele esteja entendendo, causando assim uma reação de agressividade ou de falta de iniciativa. Pode também acontecer que o aluno não possua linguagem suficiente para comunicar verbalmente ao professor que está cansado, com calor, com fome, entediado ou com vontade de ir embora, exceto através de birras e pirraças.
 
  • Ele pode ter uma memória sequencial pobre (memória das sequências dos fatos, sons, ...) e não conseguir manter a sequência dos eventos, mesmo que os cotidianos, ou não ter certeza quando algo diferente irá acontecer. Geralmente ele se sente mais confortável permanecendo em atividades que "já tem costume" resistindo assim a aprender as novas. Muitas vezes  é incapaz de se organizar ou impor limites a seu próprio comportamento e não tem noção das regras sociais. Isto pode resultar na tentativa de "chamar a atenção" dos outros de forma inapropriada ou de preferir ficar isolado. Devido a sua dificuldade de relacionamento social ele pode não ter motivação para agradar os outros ou não ser sensível a elogios podendo assim parecer que há resistência ao aprendizado.
 
  • Hipersensibilidade sensorial pode levar, com frequência, a distúrbios de comportamentos. A distração e falta de noção e organização da temporalidade podem também causar comportamentos que interferem na aprendizagem. Organizar a sala de aula ou qualquer outro ambiente de ensino ao nível de compreensão do aluno pode diminuir suas dificuldades, resultando assim numa otimização do aprendizado.
 
  • Os aspectos de uma estratégia, através da organização, tem se mostrado útil em salas de aula para alunos com de autismo, independente da idade. Tais aspectos são:
  • a organização física
  • a programação das atividades
  • os métodos de ensino
 
  • A chave para se usar cada um desses itens é a individualização. Só a sala de aula fisicamente organizada e programada não beneficiará os alunos, a menos que as habilidades e necessidades de cada aluno estejam sendo consideradas na fase de planejamento. Um professor que use métodos de ensino tais como dicas ou reforço pode não estar sendo eficaz se não avaliar as necessidades individuais e a forma de aprendizado de cada um. Uma discussão mais ampla do uso de cada um destes aspectos será visto a seguir.
 
  • Organização da Área física
  • A disposição física da sala de aula deve ser considerado quando se planeja o ensino para alunos autistas. Até a disposição dos móveis da sala pode ajudar ou atrapalhar o funcionamento independente do aluno, o reconhecimento e respeito pelas regras e limites. Muitos alunos possuem dificuldades de organização pessoal não sabendo onde ir e como chegar pelo caminho mais fácil. Devido as dificuldades de recepção da linguagem eles geralmente não entendem direções ou regras. A organização do meio ambiente lhes dá pistas visuais, que os ajuda a entender. Alguns se distraem  por qualquer "coisa" do ambiente. Os professores precisarão organizar o ambiente para que não haja tanta distração.
 
  • Antes de planejar a organização física da sala de aula, o professor pode querer avaliar o meio ambiente de modo geral. Uma boa organização não será tão eficaz se existirem outros problemas. Muitas vezes o professor não tem escolha sobre qual sala lhe será destinada. Mas se houver, há alguns aspectos a serem considerados, como:
  • o tamanho da sala
  • quais as outras salas que estão próximas,
  • número e acesso a pontos de luz,
  • localização do banheiro mais próximo,
  • iluminação
  • espaço na parede que possa distrair,
  • outros aspectos imóveis.
  • Alguns aspectos indesejáveis podem ser desprezados ou mesmo serem modificados, mas existem algumas situações que podem necessitar uma mudança na sala.
 
  • Exemplificando:
  • Uma sala com muitas saídas não é indicada quando se tem alunos que tem hábito de correr.
  • Uma sala muito pequena ou sem espaço adequado para a guarda de objetos cria uma atmosfera desconfortável de se ter sempre alguma coisa na frente ou de se trabalhar "um em cima do outro". Isto não proporciona uma atmosfera relaxante de aprendizado.
  • Um aspecto de alta prioridade é a localização do banheiro. os professores que estão treinando os alunos a usar o banheiro não querem ter que andar grandes distâncias cada vez que o aluno tenha que ir lá. Mesmo com alunos independentes no uso de banheiros, o precioso tempo de aula não deve ser desperdiçado com longas viagens ao banheiro.

Uma vez definido a sala de aula, o professor está pronto a começar a estruturar as áreas de aprendizado e treinamento no que concerne ao conteúdo da temática de aprendizado. Definir áreas específicas para tarefas de aprendizado específicas, identificar com clareza os limites e fazer materiais facilmente acessíveis ajudam os alunos a saber de forma independente onde devem estar e onde obter seus próprios materiais. Desta forma os professores não tem de estar constantemente repetindo instruções ou lembrando algo aos alunos, causando menos confusão de informações (quantidade de verbalizações) na sala. Salas e alunos diferentes exigirão estruturas diferentes.

Alunos mais comprometidos e os com autocontrole menos desenvolvido precisarão de uma estrutura mais organizada, como limites mais definidos e firmes e mais dicas que os menos comprometidos.

A organização das áreas na sala de aula pode começar a disposição natural. Por exemplo: proximidade de janelas e espelhos prejudicam as áreas de trabalho pela distração que causam. Caso isto não possa ser evitado deve-se usar persianas ou papelão pregado na janela. É benéfico utilizar áreas de trabalho próximas a prateleiras ou armários de forma que os materiais possam ser facilmente acessados. Os armários embutidos são ótimos para esta finalidade pois pode-se criar áreas de trabalho em sua volta. Paredes nuas também, pois as mesas devem ficar de frente para elas e se eliminam algumas distrações. É importante que a mobília seja apropriada para a idade e tamanho dos alunos. As áreas onde os alunos passam algum tempo em atividades independentes, como jogos e lazer ficarão melhores se estiverem localizadas longe das saídas - elimina-se a preocupação com a fuga de algum aluno. Tapetes, estantes, divisórias, a disposição das mesas - tudo pode ser utilizado para marcar melhor os limites. Por exemplo: a área carpetada pode ser a área de lazer, ou seja os alunos não devem estar em nenhum outro local durante os intervalos. A área da oficina pode ser delimitada por estantes cheias de materiais e 2 ou 3 mesas mais compridas, de trabalho. Quando um aluno recebe os materiais de oficina deve se sentar naquela área para trabalhar.

Os materiais deverão ser claramente marcados ou organizados dentro do nível de compreensão do aluno. Alguns materiais são apenas para o professor, alguns não podem ser usados durante o tempo de jogos ou lazer. A utilização de figuras, códigos de cores, símbolos numéricos, retratos, podem ajudar os alunos a marcar, buscar ou guardar os materiais de forma independente. Quando o professor planeja a organização física da sala é imprescindível levar em consideração as necessidades individuais de cada um. As necessidades dos alunos deve ser avaliada em separado. A medida que o aluno trabalha de forma mais ndependente este tipo de estruturação pode ser reduzida gradativamente.

 
  • Algumas perguntas que devem ser consideradas quando os professores organizam suas salas:
  • 1.    Há espaço para o trabalho individual e em grupo?
  • 2.    As áreas de trabalho estão localizadas em ponto de menor distração?
  • 3.    As áreas de trabalho estão identificadas para que o aluno encontre seu próprio caminho?
  • 4.    Existem áreas de trabalho consistentes para aqueles que precisam?
  • 5.    O professor tem fácil acesso visual a todas as áreas de trabalho?
  • 6.    Há lugares para os alunos colocarem os trabalhos concluídos?
  • 7.    Os materiais de trabalho estão em área central e próximos as áreas detrabalho?
  • 8.    Os materiais para os alunos são de fácil acesso e claramente marcados ?
  • 9.    As áreas de lazer ou jogos são amplas?
  • 10. Estão distantes das saídas?
  • 11. Estão distantes de áreas de materiais, a que os alunos não devam ter acesso durante o tempo livre?
  • 12. Os limites das áreas estão claros?
  • As prateleiras da área de jogos ou de lazer estão cheias de brinquedos ou jogos quebrados que ninguém usa?
Redes Sociais:
Visitantes: 666

Deixe um comentário

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *