Meningocele
 

Meningocele

 
  • Meningocele é o deslocamento frontal congênito ou adquirido das meninges, desacompanhadas de tecido neural. É causado devido a um defeito ósseo no crânio, ou até mesmo na coluna vertebral. As Meningoceles intrassacrais são lesões raras, que podem determinar sintomas de compressão radicular. A meningocele vem, quase sempre, na totalidade dos casos, acompanhada de incontinência urinária. Após avaliação neuro-urológica e estudo urodinâmico, ficará diagnosticada arreflexia do detrusor, sendo aventada a hipótese de disrafismo espinhal. O diagnóstico de meningocele intrassacral oculta é evidenciado através de ressonância magnética. O paciente quase sempre é submetido à abordagem cirúrgica com boa recuperação pós-operatória.
 
  • O termo "meningocele intrassacral oculta" foi utilizado pela primeira vez na literatura por Enderle (1932), para descrever uma dilatação meníngea intrassacral, identificada à mielografia. Embora considerado inadequado por alguns autores, seu uso foi consagrado para definir lesões císticas intrassacrais compostas de tecido fibroso semelhante à dura-máter, geralmente acompanhado pela aracnoide, ocupando o canal sacral dilatado e ligado à extremidade do saco dural por trajeto fistuloso que, usualmente, permite fluxo livre de líquido cefalorraquidiano (LCR). Vários sinônimos têm sido utilizados para definir esta mesma lesão: meningocele intrassacral oculta, cisto intrassacral, cisto intraespinhal sacral, expansão do espaço subaracnoideo, cisto extradural meníngeo com ausência de fibras nervosas, meningocele intrassacral. Mais frequentemente, a lesão torna-se sintomática na idade adulta, sugerindo crescimento lento após o nascimento. A compressão radicular pelo cisto parece ser a causa dos sintomas, determinando dor lombar baixa, eventualmente com irradiação no trajeto radicular. Os fatores compressivos ou displásicos incidentes na região pélvica que prejudicam a função neural autonômica produzem o complexo sintomático, podendo ocorrer disfunção vesical e disfunção erétil.
 
  • A estocagem e eliminação periódica da urina devem-se à complacência ou contração da bexiga, à função dos esfíncteres externo e interno e à contração da musculatura da uretra e do assoalho pélvico. A motilidade da bexiga é controlada pelo simpático e parassimpático. Em humanos, a função parassimpática é a mais importante. A inervação parassimpática preganglionar e colinérgica origina-se nos segmentos sacrais S2, S3 e S4, acompanha os nervos esplâncnicos pélvicos e termina nas células ganglionares. As células ganglionares excitam a musculatura da bexiga através da acetilcolina e de outro neurotransmissor não colinérgico (provavelmente adenosina trifosfato), porém inibem o esfíncter interno da bexiga. O simpático pré-ganglionar tem origem nos segmentos T11, T12, L1, L2, L3, L4 e termina nos gânglios pré-vertebrais. As fibras simpáticas pós-ganglionares liberam noradrenalina. Produzem efeito inibitório sobre a musculatura do corpo da bexiga e gânglios parassimpáticos; no colo vesical e na uretra produzem efeito oposto. Os efeitos inibitórios são mediados por receptores beta-adrenérgicos e os excitatórios por receptores alfa-adrenérgicos. A musculatura do assoalho pélvico e do esfíncter externo são inervados por motoneurônios de S2, S3 e S4, que trafegam pelos nervos pudendos. Pelos pudendos passam também as fibras aferentes da bexiga e que conduzem aos centros medulares sacros a sensação dolorosa e as informações necessárias à percepção de plenitude.
 
  • Existe ainda o controle central da micção executado por meio do reflexo espino-bulbo-espinal que é coordenado por um centro pontino. O centro pontino da micção é modulado por centros diencefálicos e corticais. Todos os mecanismos acima assinalados dependem da integridade da inervação pélvica e podem ser prejudicados pela compressão causada pela meningocele intrassacral.
 
  • As lesões císticas intrassacrais podem ser divididas em três tipos:
  • Tipo I - Meningoceles extradurais com ausência de fibras nervosas: A - cistos meníngeos extradurais (cisto aracnóideo extradural); B - meningocele sacral (meningocele intrassacral oculta).
  • Tipo II - Meningocele extradural com presença de fibras nervosas (cisto perineural de Tarlov).
  • Tipo III - Meningocele espinhal intradural.
 
  • A meningocele intrassacral tipo IB conforme a classificação proposta é considerada rara na literatura médica-neurológica. Existem poucos casos de lesões semelhantes publicados até a presente data. Vários autores fizeram revisões da literatura sobre este tema, encontrando pouquíssimos casos idênticos.
 
  • Há controvérsias quanto à utilização do termo "meningocele". A maioria concorda que este termo deva ser empregado mais adequadamente para definir uma herniação meníngea através de defeito ósseo craniano ou vertebral. Contudo, "meningocele intrassacral" enfatiza a presença de camada fibrosa e seu revestimento aracnóideo interno que compõe o cisto confinado ao canal sacral.
 
  • Diversas teorias têm sido formuladas com o objetivo de tentar explicar a origem do defeito; quatro hipóteses foram propostas como mais prováveis:
  • 1 - Teoria do disrafismo: as anomalias são atribuídas a falhas do fechamento do tubo neural e/ou do mesoderma circundante em diferentes etapas do desenvolvimento embriológico. A formação inadequada do saco dural resultaria no defeito pelo qual a aracnoide pode herniar. Essa teoria é atualmente aceita como a mais provável.
  • 2 - Teoria da ruptura dural adquirida: defeito da integridade da dura-máter causado por trauma, punção lombar ou cirurgia.
  • 3 - Teoria proliferativa: proposta por Patten sugere que o tubo neural aberto poderia ser resultado de crescimento local, o que interferiria em seu fechamento.
  • 4 - Teoria da falha na ascensão do saco dural: sugerida por Enderle, esta teoria propõe que ocorreria um defeito na migração cefálica do tubo neural e saco dural, com persistência de parte deste no interior do canal sacral.
 
  • Observa-se, nos casos relatados na literatura, discreto predomínio do sexo feminino, podendo a doença manifestar-se em qualquer faixa etária desde a infância até à oitava década. Em sua maioria, os pacientes permanecem assintomáticos até a vida adulta, sugerindo tendência ao crescimento progressivo. O aumento da pressão hidrostática liquórica no interior da lesão, secundário a um mecanismo valvar desenvolvido no sítio de comunicação com o saco dural, tem sido proposto para explicar tal crescimento. A compressão de raízes nervosas por um cisto volumoso parece ser a causa dos sintomas. A sintomatologia, de evolução crônica, apresenta-se frequentemente como dor lombar baixa de caráter intermitente ou progressivo, podendo irradiar-se para um ou ambos os membros inferiores, e disfunção vesical na forma de retenção ou incontinência. Menos frequentemente, parestesias, disfunção retal e impotência sexual também podem ocorrer.
 
  • Os achados físicos mais importantes incluem hipersensibilidade cutânea sacral, déficit sensorial em sela e/ou em membros inferiores, hipo ou arreflexia patelar e paresia dos membros inferiores. Flacidez esfincteriana anal e mielopatia também podem ser observados. Estigmas disráficos constituem associações comuns, podendo ser observados hipertricose ou pigmentação sacral, lipoma subcutâneo, seio dérmico, fossas sacrococcígeas e hiperceratose. Tem sido relatada a associação de meningocele intrassacral oculta e neurofibromatose. Aspecto interessante a ser considerado é o diagnóstico acidental de meningocele intrassacral durante investigação de hérnia discal. Nos casos em que há hérnia concomitante, a sintomatologia pode ser atribuída ao prolapso discal, fato comprovado após ressecção cirúrgica do tecido herniário.
 
  • Exames diagnósticos utilizados incluem radiografias simples da coluna lombossacra, mielografia, tomografia computadorizada (TC) com (mielotomografia) ou sem injeção de contraste intratecal e RM. As radiografias simples demonstram canal sacral dilatado, com margens escleróticas, além de eventuais anormalidades como, por exemplo, disrafismo espinhal. A mielografia, quando corretamente realizada, pode permitir o diagnóstico, demonstrando preenchimento da lesão pelo contraste, bem como o trajeto fistuloso. O estudo por TC demonstra mais nitidamente o alargamento do canal sacral, preenchido por massa hipodensa homogênea (LCR). Tanto na mielografia, quanto na mielotomografia computadorizada, o preenchimento da meningocele pelo meio de contraste pode ser tardio, especialmente quando o trajeto fistuloso é demasiadamente estreito, sendo importante à obtenção de imagens decorridas até 48 horas após a injeção subaracnoidea. A RM permite além da demonstração do cisto e do trajeto fistuloso (hipointenso em T1 e hiperintenso em T2), verificar o envolvimento de estruturas neurais. O custo do método permanece ainda como sua principal limitação.
 
  • O diagnóstico diferencial inclui tumores intra e extradurais, lesões discais intervertebrais, doenças inflamatórias, esclerose múltipla e sequelas de poliomielite.
 
  • A intervenção cirúrgica deve ser realizada tão logo o diagnóstico seja estabelecido, de modo a evitar lesão radicular irreversível ou alterações da medula espinhal. Recuperações completas ou parciais têm sido relatadas em praticamente todos os trabalhos revisados. A possibilidade de déficits crônicos e complexos, como disfunção vesical, deve ser considerada, sobretudo quando o tempo decorrido desde o início dos sinais e sintomas for longo. A abordagem cirúrgica inclui laminectomia sacral dorsal, podendo-se proceder a marsupialização, dissecção e remoção completa, simples descompressão óssea, ressecção parcial e, mais frequentemente, ligadura do trajeto fistuloso entre a meningocele e o fundo de saco dural normal. Esta última pode ser praticada através de abordagem endoscópica, minimizando riscos operatórios, quando as condições da fístula permitem esta abordagem. Existe controvérsia sobre a conveniência de se tratar cirurgicamente lesões assintomáticas, quando do diagnóstico acidental, reservando-se, dessa forma, uma abordagem definitiva apenas nos casos com sintomatologia progressiva e/ou crescimento da lesão demonstrado clínica e radiologicamente em investigações sucessivas.
 
  • Em conclusão, a análise da literatura torna evidente que as meningoceles intrassacrais ocultas representam lesões raras e complexas, podendo determinar sintomatologia variada decorrente de compressão radicular sacral. O diagnóstico pode ser firmado através dos modernos métodos atualmente disponíveis, destacando-se a mielotomografia computadorizada e, principalmente, a ressonância magnética. Em geral, uma abordagem cirúrgica correta permite recuperação dos déficits neurológicos. Entretanto, o diagnóstico deve ser realizado o mais precocemente possível, para evitar-se as lesões permanentes.
Redes Sociais:
Visitantes: 204

34 thoughts on “Meningocele

  1. I’m amazed, I have to admit. Rarely do I come across a blog that’s
    both educative and amusing, and without a doubt, you’ve hit the nail on the head.
    The issue is something that not enough people are speaking intelligently
    about. I’m very happy that I came across this during my search for something relating to this.

  2. I have been exploring for a bit for any high-quality articles or
    blog posts on this sort of area . Exploring in Yahoo I at
    last stumbled upon this site. Reading this info So i’m glad to express that I
    have an incredibly excellent uncanny feeling I found out just what I needed.

    I such a lot for sure will make certain to do not put out of your mind this website and give it a glance regularly.

    1. Olá,
      Me alegro que apreciou a formatação e as postagens do blogger. Salve o endereço!
      Te espero!
      Abraços!

  3. Awesome blog! Is your theme custom made or did you download it from somewhere?

    A design like yours with a few simple adjustements
    would really make my blog jump out. Please let me know where you got your design. With thanks

    1. OLá,
      Me alegro que você gostou o layout do blogger. Já trabalhei anteriormente com outro blogger e resolvi formatá-lo utilizando a plataforma WorPress, que vejo como simples, funcional e intuitíva. Além de ser gratuíta. Não tenho nada de diferente, apenas a formatação por categorias, que foi adequada para minhas demandas.
      Abraços!

  4. Thank you for sharing superb informations. Your web-site is very cool.
    I am impressed by the details that you’ve on this site.
    It reveals how nicely you understand this subject.

    Bookmarked this web page, will come back for more articles.
    You, my pal, ROCK! I found simply the information I already searched all over the place and just couldn’t come across.
    What an ideal web-site.

  5. Magnificent beat ! I would like to apprentice even as you amend your site, how could i subscribe for a blog website?

    The account helped me a applicable deal. I had been a little bit
    familiar of this your broadcast offered vibrant transparent concept.

    1. Olá,
      Me alegro em saber que transmiti o conteúdo de forma assertiva. Estarei adicionando um plugin para inscrição.
      Abraços!

    1. Olá,
      Me alegro que apreciou a formatação e as postagens do blogger. Salve sim o endereço!
      Te espero!
      Abraços!

    1. Olá,
      Realmente existem sites preciosos com bons materiais de acervo. A intenção é essa, compartilhar, partilhar!
      Abraços!

  6. Hello There. I found your blog using msn. This is a very well written article.
    I’ll make sure to bookmark it and return to read more of your useful info.
    Thanks for the post. I will definitely comeback.

  7. Awesome blog! Do you have any tips for aspiring writers?
    I’m planning to start my own blog soon but I’m a little lost on everything.
    Would you suggest starting with a free platform like
    Wordpress or go for a paid option? There are so many options out there that I’m
    completely overwhelmed .. Any recommendations? Kudos!

    1. Olá,
      Me alegro em saber que está apreciando as postagens. Meu blogger é simples,não obstante, é funcional. Optei por um modelo gratuíto, Plataforma WordPress, pago apenas a hospedagem, acho isso importante. Existem muitos tutoriais na Web como fonte de auxílio.
      Abraços!

  8. Nice post. I learn something new and challenging on websites
    I stumbleupon on a daily basis. It will always be interesting to read articles from
    other authors and practice something from other sites.

    1. Olá,
      Realmente, existe muitos materiais de qualidade em sites/bloggers, vale sim pesquisar e receber!
      Abraços!

  9. Heya i’m for the first time here. I found this board and I in finding It really helpful & it helped
    me out much. I hope to present one thing again and
    aid others such as you helped me.

    1. Olá,
      Bom saber que lhe aprovou a postagem e lque você deseja também repassar como fonte de auxílio.
      Abraços!

  10. You are so interesting! I don’t suppose I have read through a single
    thing like that before. So great to find another person with
    some unique thoughts on this topic. Seriously.. thank you
    for starting this up. This site is one thing that’s needed on the web,
    someone with some originality!

    1. Olá,
      Me alegro em saber que encontrou aqui material para suas necessidades. Existem sites preciosos com bons materiais de acervo,
      Abraços!

  11. Greetings! I know this is kinda offf topic but I was wondering if you knew where I could locate a captcha plugin for
    my comment form? I’m using the same blog platform aas yours and
    I’m having difficulty finding one? Thanks a lot!

    1. Olá,
      Os meus comentários, analiso pelo email, razão essa que precisamos ter uma conta gmail, vinculada ao bloggfer. Somente após aprovação é que os mesmos são publicados.
      Abraços!

    2. Olá,
      Os comentários estão viculados a conta/e -mail. Necessitando de moderação/aprovação do mediador do blogger.
      Abraços!

    3. Olá,
      Existem muitos plugins para utilização em bloggers. Dentre os plugins para formulário de contato, destaco o Contact Form 7, que é um plugin WordPress muito simples e essencial para criar diferentes tipos de formulários de contato.
      Abraços!

Deixe um comentário

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *