Conteúdos Fundamentais
  • organizado por Diane Marli Lemes Pereira
 
  • Sabemos que o processo de alfabetização não é simples e nossas crianças autistas podem enfrentar dificuldades peculiares no desenvolvimento atrasando e prejudicando este processo, porém é importante ressaltar que pode ser possível e que no decorrer dos anos, com estimulação adequada, a criança apresente evolução significativa, alcançando sucesso no processo de alfabetização.
 
  • Mas por onde começar? Como fazer? Quais atividades devo preparar?  São perguntas que nos fazemos quando nos deparamos com o autismo. Primeiro é preciso identificar quais os pré requisitos necessários para a atividade planejada e quais habilidades a criança apresenta.
 
  • Ao entrar na escola, a criança, por meio de suas experiências cotidianas, já conhece alguns números e letras. Estes estão relacionados ao canal de TV à idade de cada um, o número e o nome da rua  de sua casa etc.  que não significa, no en­tanto, já tenham construído os conceitos.
 
  • Entendemos que a construção envolve o desenvolvimento prévio de processos cognitivos, que poderão ser trabalhados com atividades de classificação e seriação, noções de grandeza, posição, direção e sentido, tempo, capacidade, massa, quantidade, correspondência biunívoca, conservação de quantidade, inclusão hierárquica, sequência, contagem ...
 
  • É no início da escolaridade que os estudantes  aprendem que medir significa comparar grandezas. Quando esse conteúdo é bem trabalhado, o rendimento no Ensino Fundamental melhora - afinal, a medição está diretamente ligada não só à geometria e à estatística mas também a outras disciplinas.
 
  • Pensando neste processo segue algumas dicas de conteúdos alguns pré-acadêmicos importantes para o inicio esse período:
 
  • 1- Discriminação de objetos e de figuras: se a criança não discrimina os objetos e futuramente as imagens dificilmente o  fará com as letras e palavras;
 
  • 2- Pareamento de letras: quando a criança já consegue discriminar uma imagem podemos apresentar as letras e trabalhar o pareamento de letras do seu nome e de palavras que sejam significativas para a criança;
 
  • 3- Artes visuais: pintura com lápis, tinta, recorte, colagem, imitação de traçados gráficos.
 
  • 4-Motricidade: Desenvolvimento da coordenação motora grossa com o reconhecimento do corpo e suas habilidades e da coordenação fina: perfuração com massinha, alinhavo, abrir pote, cobrir pontilhados, preparação para a escrita.
 
  • 5 – Reconhecimento das letras: o nome próprio é o inicio da compreensão da escrita, sendo referência para as outras escritas. Apresente o nome da criança em diferentes atividades, pareamento das letras do nome, pintura e colagem das letras, letras em lixa como no exemplo abaixo.
 
  • 6 – Reconhecimento de números, cores e quantidades: formar conjuntos de elementos com características semelhantes, parear números, contagem de objetos, pareamento de objetos de uma mesma cor, identificação e nomeação das cores primárias.
 
  • 7 – Orientação espacial – ensinar os conceitos:  em cima, embaixo, dentro, fora, esquerda, direita, ao lado, no meio, perto, longe. Iniciar com atividades concretas onde a criança participe fisicamente da atividade. Só depois exigir esse trabalho em atividades gráficas.
   
  • CLASSIFICAÇÃO
  • Comportamentos de classificação podem ser considerados como uma das primeiras manifestações de pen­samento lógico do ser humano. Entende-se por classificação uma operação lógi­ca realizada a partir do agrupamento de objetos pelos atribu­tos que lhes são semelhantes. As atividades de classificação devem levar a cri­ança a:
 
  • reconhecer semelhanças e diferenças entre objetos de uma coleção;
 
  • estabelecer a relação de pertinência entre um ele­mento e um grupo: escolhido um atributo, identificar­ quais objetos pertencem ou não à classe dos objetos que têm esse atributo e discriminar a carac­terística pela qual um objeto pode ou não pertencer a uma coleção;
 
  • estabelecer a relação de inclusão, percebendo agrupa­mentos menores presentes num agrupamento maior;
 
  •  estabelecer a relação de disjunção, percebendo ao classificar quando dois ou mais agrupamentos são absolutamente separados, isto é, não têm elemento comum.
   
  • ATIVIDADES DE CLASSIFICAÇÃO
  • Solicitar às crianças que se agrupem segundo os seguintes critérios: sexo, idade, cor de cabelo, cor dos olhos, tipo de roupa etc.
 
  • Com objetos de sucata, (garrafas pet de cores diferentes, caixas de papelão,copinhos de plástico, caixas de embala­gens diversas, botões diferentes, bolinhas, retalhos de te­cido, pedaços de lixa com diferentes texturas etc, solici­tar às crianças que classifiquem as peças livremente, agrupando-as por semelhança.
 
  • Ainda com objetos de sucata, o professor atribui critérios e solicita que os alunos separem os objetos. Em seguida, faz juntamente com as crianças a contagem dos agrupamentos construídos pelas crianças e registram-se os números que esses agrupamentos representam.
 
  • Utilizando Blocos Lógicos: o aluno brinca livremente com o material que lhe é apresentado, passando a conhecer suas características de modo pessoal sem interferência do pro­fessor.
 
  • Dominó dos Blocos Lógicos - A  criança que inicia o jogo escolhe a peça que vai jogar primeiro, a coloca sobre a mesa e justifica o atributo de sua escolha. O próximo jogador deve juntar a segunda peça à primeira uti­lizando um atributo que as assemelha. Procede-se da mes­ma forma o terceiro jogador, ... Para continuar o jogo, introduza variações, modificando o número de crité­rios entre cada peça e seu sucessor: duas diferenças; três diferenças...

 

  • O professor retira de uma coleção de Blocos Lógicos as peças com formato redondo e pergunta a um aluno como é a peça. Suponhamos que a criança responda: "É uma roda". O professor poderá escolher outra peça redonda, do mesmo tamanho da anterior, porém de cor diferente, fazendo a mesma pergunta. Se o aluno responder que "tam­bém é uma roda", o professor poderá perguntar: "Então as duas são iguais?". Assim, a criança vai observar que a peça inicial não se caracterizava apenas pela forma e que ou­tros atributos, como a cor, também podem ser observados.
 
  • As peças dos Blocos Lógicos são colocadas em uma saco­la. Cada aluno apanha uma e, sem retirá-la da sacola, tenta descrevê-la pelo tato, da melhor maneira que puder. A se­guir, retira a peça para que seus colegas confiram se a des­crição foi adequada.
   
  • Seriação
  • São sequências dadas, identificadas por meio de uma regra de formação.
 
  • Ao propor situações de desafios, com o objetivo de que a criança adquira a noção de ordem no seu mundo físico, pretende-se ajudá-la a perceber a ordem no campo dos números (incluir classes).
 
  • O objetivo final do trabalho desenvolvido com as atividades de seriação é que a criança desenvolva seu cognitivo para perceber que cada elemento da série de contagem é um a mais que o anterior e um a menos que o posterior.
   
  • Atividades de seriação
  • Organizar frascos plásticos (por exemplo: garrafas de refrigerante), que contenham quantidade de líquido diferente utilizando a ordenação "do mais cheio para o menos cheio" e "do menos cheio para o mais cheio".
   
  • Noções de grandeza
 
  • Ao lado da formiga, o cachorro é um gigante, mas quando está perto do cavalo fica tão pequenino. Além de fatos do dia a dia, também é fundamental planejar e provocar situações que envolvam tamanhos e grandezas: “Brincadeiras e jogos tradicionais (toca do coelho, dança das cadeiras, bingo com imagens, jogo da memória e dados) são excelentes para trabalhar o tema”, o melhor caminho é partir de conhecimentos prévios e utilizar brinquedos ou objetos do cotidiano. “A criança poderá observar brinquedos que cabem em alguns lugares e outros não, perceber o pai alto e a mãe, em geral, mais baixa. Essa aprendizagem pode acontecer em qualquer idade ou momento, no entanto, o conceito de grandezas costuma ser inserido a partir dos cinco anos de idade. Atividades que priorizam a imagem proporcionam maior envolvimento dos pequenos.
 
  • A criança pode manipular, visualizar, sentir e construir para estabelecer comparações. Atividades como brincadeiras do espelho, teatro de fantoche, confecção de bonecos com sucata, cubos de encaixe, medir a altura dos alunos com uso de barbantes e jogo da boca do palhaço com diferentes tamanhos de circunferências para a entrada da bola ajudam a perceber as diferenças.
 
  • Sabe aquelas coleções que crescem a cada dia? Latinhas, canetas e até bichos de pelúcia? Além de divertidas, também são essenciais para trabalhar quantidades. Providencie caixas de tamanhos e cores diferentes, e preencha-as com materiais diversos (areia, botões, tecidos, algodão e palitos).  Além das diferenças no tamanho, estimule comparações de peso e de quantidade  Questione qual é a caixa mais pesada, qual tem a maior quantidade de itens etc.
   
  • Noções de Posição
  • Para a fixação das noções de posição, organize os alunos sentados em uma fila para um jogo que explora as noções de posição. Convide os alunos para brincar de "O mestre mandou", perguntando:"Vocês farão tudo o que o mestre mandar?  Depois que os alunos responderem "sim", faça as seguintes solicitações:
 
  • o primeiro da fila, dê um assobio.
  • quem está logo atrás do primeiro da fila, levante a mão.
  •  quem está logo na frente do primeiro, fique de pé. (Neste caso, nenhum aluno deverá responder à ordem).
  • que o ultimo da fila diga um verso bem bonito.
  •  quem está logo na frente do ultimo, deve bater palmas.
  • quem está logo atrás do ultimo da fila, levante a mão. (Neste caso, nenhum aluno deverá responder à ordem).
  • fique de pé quem está entre a Maria e o Caio.
  •  faça "tchau" quem está logo atrás de Juliana.
  •  diga o nome completo quem está logo na frente de Marcelo. (invente outras ordens e continue a brincadeira enquanto os alunos demonstrarem interesse)
   
  • CONTEÚDOS FUNDAMENTAIS DE MATEMÁTICA
 
  • Vocabulário Fundamental
  • 1.       Noções de grandeza: grande, pequeno, maior, menor, mesmo tamanho, alto, baixo, largo, estreito, grosso, fino, comprido, curto.
  • 2.       Noções de posição: dentro, fora, na frente de, atrás de, ao lado de, mais perto de, mais longe de, o primeiro, o último, no meio, de frente, de costas, à direita, à esquerda, acima, abaixo.
  • 3.       Noções de direção e sentido: para frente, para trás, para cima, para baixo, para o lado, para a direita, para a esquerda, mesmo sentido, sentido contrário, setas, meia volta, uma volta.
  • 4.       Noções de tempo: antes, depois, agora, mais tarde, ontem, hoje amanhã, dia, noite, iniciação as horas inteiras, velho, novo, moderno, antigo, mais velho de todos, começo, meio e fim, dia, semana, mês.
  • 5.       Noções de capacidade: vazio, cheio, pouco cheio, muito cheio, quase cheio, quase vazio.
  • 6.       Noções de massa: pesado leve, mais  pesado, mais leve.
  • 7.       Noções de quantidade: muito, pouco, o que tem mais, o que tem menos, mesma quantidade.
   
  • Na aquisição do conceito de número destacam-se as habilidades Pré Numéricas, habilidades que precisam ser trabalhadas para que o aluno estruture o pensamento para a aprendizagem.
 
  • Classificação: agrupar segundo um critério: cor, forma tamanho, utilidade, espécie, ... , podemos classificar figuras geométricas, animais, frutas, botões, tampinhas, brinquedos, etc.
 
  • Seriação:colocar em série, em ordem, ordenar: blocos lógicos, botões, palitos, tampinhas,  estabelecendo relações do tipo: maior que, menor que, mais alto, menos que, ... Seriar conforme a cor: do mais claro ao mais escuro.
 
  • Correspondência Biunívoca: correspondência um a um. Ex: xícaras e pires, cães e ossos, meninos e bonés ...
 
  • Conservação de Quantidade:é o reconhecimento que o número de elementos de um conjunto não varia, quaisquer que sejam as maneiras como se agrupam esses elementos.
 
  • Inclusão hierárquica: colocar os objetos em relação de inclusão, incluir mentalmente “um” em “dois”, “dois” em  “três” ... È preciso compreender que dentro de uma determinada quantidade encontram-se outras, o maior, contem o menor. Ex: incluir tampas colocando a menor sempre na maior.
 
  • Sequência: é a sucessão de elementos dispostos de acordo com uma regra. Uma sucessão de figuras geométricas que obedece à seguinte regra: um quadrado, dois triângulos, um quadrado, etc
 
  • Contagem: contar tampinhas, palitos, etc.
   
  • Noções de direção e sentido:Atividades abrangendo noções de direção e sentido,  pode ajudar as crianças a organizarem melhor as suas informações e estratégias, bem como proporcionar condições para a aquisição de novos conhecimentos matemáticos. O trabalho com noções matemáticas na educação infantil atende, por um lado, as necessidades das próprias crianças de construírem conhecimentos que incidam nos mais variados domínios do pensamento; por outro lado, corresponde a uma necessidade social de instrumentalizá-los melhor para viver, participar e compreender um mundo que exige diferentes conhecimentos e habilidades.
  • A trajetória é longa, os obstáculos aparecem, mas podemos sempre buscar novas estratégias, desistir jamais… A aprendizagem e o sucesso das nossas crianças são possíveis sim!!!

Referências

http://revistaguiainfantil.uol.com.br/ http://bancodeatividades.blogspot.com.br/ https://pt.scribd.com/doc/138959027/O-trabalho-com-nocoes-matematicas-na-educacao-infantil http://revistaescola.abril.com.br/ Claudia Mara/ Desafios do Aprender
Redes Sociais:
Visitantes: 522

Deixe um comentário

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *