Neurodidática
 
  • Neurodidática: o cérebro e o processo de aprendizagem nas fases inicias do desenvolvimento cognitivo da criança
 
  • Olá,
 
  • O objetivo principal da neurodidática ou neuroeducação, além de aproximar o estudo da neurociência com a educação, é explicar como acontece os estímulos cerebrais no processo de aprendizagem nos períodos de desenvolvimento cognitivo das crianças até os sete anos de idade. Essa ciência afirma que até os sete anos de idade, a capacidade de aprendizado do ser humano é maior do que outros períodos das fases de aprendizagem do processo cognitivo.
 
  • Por isso escutamos muitas pessoas que dizem que a melhor fase para aaprendizagem é a infância. Um dos exemplos dessa afirmação é a da própria alfabetização, pois, segundos os estudos, é mais fácil alfabetizar uma criança do que um adulto ou um idoso. Os estudos ganham ainda mais base de comprovação se tomarmos a questão da evolução neurológica dos seres humanos, pois quando nascemos, possuímos centenas de bilhões de neurônios, mas ao decorrer da vida esses números diminuem.
 
  • O constante estímulo cerebral das crianças desencadeia uma reação nos neurotransmissores que, por sua vez, produzem:
  • Dopamina, que aumenta a concentração e mantém a atenção das crianças na hora de se assimilar novas informações;
  • Endorfina, que proporciona alegria e o bem-estar pela aprendizagem e estimula a curiosidade;
  • Serotonina, que aumenta a sensação de prazer na aprendizagem e o interesse em se aprender ainda mais.
   
  • A maior quantidade de sinapses e neurotransmissores nas crianças até os setes anos fazem com que elas tenham mais facilidade de aprendizado do que qualquer outra faixa etária. Portanto, a neurodidática poderia mudar toda a estrutura do sistema educacional do ensino do nosso país pelo menos até a quarta série. Um exemplo dessas mudanças seria o ensino de línguas estrangeiras logo no período de alfabetização.
 
  • Segundo estudos, o ensino básico deveria se constituir em duas fases:
  • A primeira fase se basearia no estímulo da capacidade da memória, percepção e atenção através do uso das linguagens integradas através de atividades para, em seguida, desenvolver as capacidades de representação, recreação e manutenção de tudo o que se é aprendido através dos sentidos e no aumento das capacidades psicomotoras.
 
  • A segunda fase se constituiria em formar e desenvolver a capacidade de abstração e formação de conceitos através das funções cognitivas (a compreensão, a interpretação, a criação, a adaptação, o reconhecimento, o interesse, etc.) num processo de construção gradativo da aprendizagem dessas estruturas. A partir desses dados, separamos uma série de vantagens em se aplicar um estímulo maior nas crianças nessas faixas etárias através dos próprios pais.
   
  • Aumento da memória
  • Ao serem estimulados desde pequenos, as crianças criarão uma capacidade de memorização e capacidade de guardar informações maior do que crianças não estimuladas.
 
  • Maior capacidade de aprendizado
  • Crianças estimuladas da maneira correta serão mais capazes e terão mais facilidade em assimilar novas informações, por isso a capacidade de aprendizagem é melhorada.
 
  • Despertar a vontade de aprender
  • Quando a criança é estimulada nas fases iniciais, a probabilidade dela se tornar uma criança curiosa se torna maior. Essa curiosidade se aplica nos estudos, pois o cérebro deles passará a proporcionar uma sensação de prazer através da aprendizagem.
 
  • Aumento na capacidade de intepretação
  • Outra vantagem trazida pela neurodidática é proporcionar às crianças um maior desempenho em relação a interpretação de situações, objetos ou lugares. Devido a uma herança primitiva, existe uma facilidade maior na infância em aprender as diferenças e conseguir interpretar gravuras, imagens e símbolos, por isso a compreensão deles para as expressões artísticas (música, dança, teatro etc.) são mais fáceis de se despertar nessa idade.
 
  • Pensamento crítico e noção de certo e errado
  • Ao trabalharem todas essas áreas citadas da neuroeducação, a criança aprenderá e assimilará mais rápido as noções de certo e errado, assim como o desenvolvimento cognitivo ligado ao pensamento crítico será extremamente estimulado durante esse processo, portanto eles conseguirão adquirir um pensamento mais profundo e crítico acerca das informações adquiridas.
 
  • É importante ressaltar que, quando falamos sobre estímulos, estamos falando de coisas simples que podem ser aplicadas pelos próprios pais através de simples atividades, tais como: leitura, elaborar brincadeiras lúdicas e o “faz de conta”, incentivar o desenho e a manifestação artística das crianças, trabalhar a fala e a escrita antes mesmo do período de alfabetização, etc.
 
  • Contudo, muitos pais decidem colocar seus filhos em escolas particulares que apresentam formas diferenciadas de ensino, onde a criança logo cedo aprende línguas estrangeiras e outras atividades mais complexas. Isso, para quem tem condições, é mais indicado pois a assimilação e a memorização nessa fase tornará o aprendizado mais concreto.
 
  • Até a próxima!
 
Redes Sociais:
Visitantes: 138

Deixe um comentário

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *