Dislexia
  • A Dislexia é um transtorno de aprendizagem do tipo verbal – que envolve símbolos, gráficos e códigos de linguagem fonológica – que nasce e cresce com a criança, ou seja, que se apresenta desde tenra idade levando a problemas de aquisição de pré-requisitos para a alfabetização durante o seu desenvolvimento e que, por extensão, acarretará futuras dificuldades para o processo de aquisição da aprendizagem da leitura e da escrita, com demora na construção de frases, erros frequentes de ortografia e falta de concentração.
 
  • Ela não tem “cara” nem tampouco forma física sendo uma condição que se identifica somente na observação do comportamento da criança quando em contato com informações ou meios que se utilizam de formas, letras e números. Não dá em exames, não pode ser identificada em imagens cerebrais nem em eletroencefalograma, só afetando indivíduos muito inteligentes e criativos.
 
  • A Dislexia é um transtorno de desenvolvimento resultante de alterações, falhas, disfunções em regiões específicas do cérebro responsáveis pela análise, integração e coordenação de processos que envolvem leitura e escrita. Desde a percepção visual, auditiva e espacial, até a integração destes estímulos com habilidades fonológicas e de memória de trabalho verbal, o cérebro do disléxico não consegue interconectar estas áreas funcionais de forma organizada e estruturada. Ao ler e escrever, o portador tem lento processamento e reduzida capacidade de fluência e memorização por estes caminhos para adquirir o volume de conhecimento desejado e esperado. Demoram 4 vezes mais para entender uma frase e costumam confundir, durante a percepção, os sons e as formas de letras o que leva a se atrapalharem com a junção das mesmas no processo de formação das palavras. Esta lentidão prejudica a compreensão e a fluência.
 
  • Mais comum em meninos (4-5 vezes mais) e de predominante herança genética (60-90% dos casos), é comum afetar famílias e suas consequentes gerações. Os primeiros sinais podem aparecer nos primeiros anos de vida como atraso na aquisição da fala, trocas fonéticas tardias, omissões frequentes de sílabas na fala ou chegar em idades mais tardias, falando muito “enrolado” e de forma ininteligível. Oitenta por cento dos disléxicos apresentam história de atraso de linguagem expressiva e este sinal é de grande valia para vigilância durante o desenvolvimento da criança e levantar suspeita.
 
  • Nos anos que se passam, observa-se que estas crianças são mais desengonçadas, incoordenadas, desastradas, imaturas e “esquecidas”. Esquecem pequenos recados, letras de canções, parlendas, rimas e aliterações, costumando se perder nos nomes de objetos de seu convívio pessoal. Ao tentar nomear as coisas, esquecem, confundem-se, tentam rememorar por meio da função ou de um evento que lembre o objeto desejado. Demoram mais para aprender sequências motoras, se perdem na orientação espacial de trajetos e de sequências de tarefas. Acabam, no início da alfabetização, tendo muita dificuldade para memorizar letras e seus sons, assim como números e seus nomes, não raramente se desinteressam por atividades que envolvem livros, frases, representação ou formas gráficas. A memorização de textos, frases, tabelas, tabuadas, nomes de ruas, identificação de direita-esquerda e das horas em relógio analógico encontram-se também muito defasadas e podem se estender por toda a vida.
 
  • O diagnóstico da Dislexia independe de exames neurológicos e de aparelhagens específicas. Costumam nada evidenciar. Por ser uma condição essencialmente clínica que depende de uma avaliação que passa por conhecimento e neurodesenvolvimento, como também da necessidade de exclusão de outras patologias e distúrbios, sua confirmação deve sempre passar por uma ampla avaliação interdisciplinar com a participação integrada de profissionais de saúde, de educação, especializados e dotados de conhecimentos afinados acerca do transtorno, como neuropediatra, neuropsicólogo, fonoaudiólogo, psicopedagogo e equipe educacional. Estes profissionais devem seguir protocolos consolidados pelas evidências científicas com a aplicação de testes específicos dominados por cada especialidade que possam identificar os déficits normalmente observados em pacientes com Dislexia.
 
  • fonte https://institutoneurosaber.com.br/
Redes Sociais:
Visitantes: 191

Deixe um comentário

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *