Estágio de pensamento pré-operatório
por Vera Regina Passos
  • O ingresso no nível de pensamento pré-operatório ocorre por volta dos 18 aos 24 meses e é marcado pela aquisição da função simbólica ou semiótica, que consiste na capacidade de evocar um significado através de um significante. Isso representa um salto qualitativo muito importante no desenvolvimento afetivo e cognitivo da criança permitindo que aja sobre a realidade na ausência dos acontecimentos, evocando uma representação.
 
  •             O surgimento da função simbólica revela-se através de cinco condutas:
  • 1) Imitação diferida: marca a passagem do nível sensório-motor para o das condutas representativas. Neste período a criança é capaz de realizar uma imitação mesmo na ausência do modelo.
  • 2) Jogo simbólico: trata-se do jogo de faz-de-conta, conduta totalmente desconhecida no nível anterior. O jogo simbólico permite à criança modificar o mundo real à sua vontade, possibilitando a compreensão do mundo adulto.
  • 3) Desenho: conduta intermediária entre o jogo e a imagem mental, o desenho não costuma aparecer antes dos dois ou dois anos e meio.
  • 4) Imagem mental: nesse período as imagens mentais são estáticas, não considerando o movimento e as transformações.
  • 5) Linguagem: permite à criança evocar verbalmente um acontecimento anterior. Possibilita que ela faça narrativas, repartindo suas experiências com outras pessoas, desenvolvendo a socialização. Além disso, a interiorização da palavra caracteriza o surgimento do pensamento.
 
  • A função simbólica refere-se à capacidade de evocar coisas e acontecimentos que não estão presentes, enquanto que a imitação, a imagem mental, o jogo simbólico, o desenho e a linguagem representam os meios para que essa evocação aconteça.
  • No jogo simbólico manifesta-se o mecanismo de assimilação e na imitação diferida evidencia-se a acomodação aos modelos do meio ambiente. A inteligência decorre do equilíbrio entre acomodação e assimilação. Isto demonstra o caráter instável desse período, resultando em julgamentos oscilantes e contraditórios por parte da criança.
  • O surgimento da função simbólica indica um grande desenvolvimento cognitivo, pois permite a passagem de uma inteligência prática para uma inteligência representativa.
  •  O estágio do pensamento pré-operatório estende-se aproximadamente dos dois aos sete anos, e pode ser dividido em três subníveis:
  • a) Simbólico (aproximadamente dos dois aos quatro anos);
  • b) Intuitivo global ou intuitivo simples (cerca dos quatro aos cinco anos);
  • c) Intuitivo articulado (aproximadamente dos cinco aos sete anos).
  • Deve-se considerar que estas idades são aproximações, não tem um caráter rígido. Essa divisão encontrada na obra de Piaget, bem como os demais estágios de pensamento, não implicam numa ruptura brusca de um nível ao outro. Pelo contrário, é uma continuidade. Os estágios de pensamento e seus subníveis evoluem integrando-se uns aos outros. É possível encontrar em um estágio condutas próprias de um nível anterior ou posterior.
  •  No nível de pensamento pré-operatório, subnível simbólico, a criança possui apenas pré-conceitos, pois ela não consegue pensar em categorias gerais, atendo-se ao particular. É um pensamento transdutivo, vai do particular para o particular, isto é, ela transpõe um elemento que lhe chamou a atenção em determinada situação, para outra situação, chegando a conclusões ilegítimas.
  •  No subnível de pensamento intuitivo global, o pensamento e eminentemente intuitivo, que considera percepções globais, e não é capaz de diferenciar as relações entre os elementos, muito menos suas transformações. O pensamento intuitivo global é essencialmente não-conservador, porque ausente de reversibilidade. É justamente a aquisição dessa reversibilidade que garante a possibilidade da realização das operações mentais, que é uma das características que define o nível de pensamento operatório concreto.
  •  Nesse subnível a criança é incapaz de considerar, simultaneamente, dois aspectos diferentes de uma mesma realidade. A percepção da forma global é o que impera nesse momento podendo distorcer os julgamentos.
  • Embora a criança seja capaz de contar pequenas quantidades, ainda não alcançou a conservação do número, de modo que qualquer modificação na configuração espacial dos elementos pode resultar em nova quantidade. Nesse período a criança começa a esboçar condutas classificatórias.
  • Quando alcança o subnível de pensamento intuitivo articulado, o raciocínio da criança começa a se flexibilizar um pouco mais em relação ao momento anterior. Já é capaz de algumas invariantes físicas, começando a se libertar da força da percepção.
  • O pensamento pré-operatório é caracterizado por ser um pensamento rígido, pois considera apenas os estados e não suas transformações.
  • Uma das principais características do pensamento pré-operatório é o egocentrismo. Porém, devido aos mal-entendidos com o termo, Piaget preferia falar em centração ou indiferença, pois a criança pré-operatória está permanentemente centrada em seu próprio ponto de vista e indiferente a pontos de vista de outros.
  •  O egocentrismo infantil leva a criança a confundir seu próprio pensamento com o mundo a sua volta, acreditando que tudo que acontece tem alguma relação consigo própria.
  • Segundo Martí, o pensamento infantil nesse momento está sempre estabelecendo uma relação de causa e efeito entre fenômenos que presencia, a partir de seus anseios e experiências pessoais (fenomenismo). Ele afirma que a criança acredita ainda que tudo a sua volte tem uma função que justifica sua existência (finalismo). Acredita que tudo que há no mundo, inclusive as montanhas, foram de alguma forma construídas pelos homens (artificialismo).
  • O pensamento intuitivo pode levar a criança a acreditar que objetos e animais sejam dotados de pensamentos e de intenções (animismo).
  • No campo da construção da moralidade, quanto à evolução da prática e da consciência de regras, as crianças de até cinco ou seis anos encontra-se na etapa da anomia, ou seja, indiferentes às regras coletivas. Somente no final do nível de pensamento pré-operatório, subnível intuitivo articulado, por volta dos seis anos, é que as crianças passam a demonstrar um grande interesse por participar de atividades coletivas regradas.
  • Quanto ao julgamento infantil a respeito de questões envolvendo dever moral, podemos identificar uma primeira fase onde se observa o realismo moral. É considerado bom todo ato que obedece a uma ordem do adulto. As regras são interpretadas literalmente e julga-se pelos resultados dos atos e não por sua intencionalidade.
  • As crianças pré-operatórias, ou até cerca de oito anos de idade, também acreditam na idéia de uma justiça imanente, segundo a qual, todo delito será castigado ainda que por forças da natureza.
  • Alguns experimentos de Piaget avaliam a aquisição das invariantes físicas pela criança (substância, peso, volume etc.). Trata-se de situações onde se parte de uma igualdade inicial e o experimentador vai procedendo a transformações no estado do objeto apresentado, sempre diante da criança. A cada transformação, o pesquisador investiga como pensa a criança, quanto à conservação da invariante que está sendo pesquisada.
  • Existem três níveis possíveis de resposta:
  • a) Nível 1: respostas não conservadoras. Não reconhece a conservação da invariante pesquisada.
  • b) Nível 2: condutas intermediárias. Apresenta oscilações: é capaz de emitir uma resposta conservadora, mas diante de uma contra-argumentaçao modifica seu julgamento.
  • c) Nível 3: respostas conservadoras. Consegue reconhecer a invariância da unidade pesquisada diante das transformações que ocorrem à sua frente.
 
  • Crianças de até quatro anos e meio ou cinco anos, apresentam respostas do nível 1, revelando total ausência e reversibilidade de raciocínio. São crianças pré-operatórias de nível simbólico ou intuitivo global.
  • De cinco até os seis ou sete anos costumam apresentar respostas intermediárias. São crianças pré-operatórias de nível intuitivo articulado.
  • As respostas de nível 3 só são alcançadas quando a criança ingressa no estágio de pensamento operatório concreto, como resultado do processo de sucessivas reformulações realizadas no estágio anterior.
  • No estágio do pensamento pré-operatório, no domínio da classificação, embora a criança consiga efetuar subtrações de classes, ela é incapaz de fazer inclusões de classes.
  • Quanto ao domínio da seriação, só conseguem fazê-lo parcialmente, em grupos sem considerar o todo. Mas, só conseguirão seriar quando se encontrarem no nível operatório concreto.
  • No nível pré-operatório ocorre o aperfeiçoamento de esquemas de pensamento que surgiram no estágio anterior, ao mesmo tempo em que preparam a criança para o estágio posterior. Portanto, é uma etapa importante, em que a criança realiza várias aquisições que possibilitarão o desenvolvimento para a próxima etapa.
  • BIBLIOGRAFIA
  • BOSSE, Vera Regina Passos. O mundo pré-operatório de Laurinha: considerações gerais sobre o estágio de pensamento pré-operatório. Psicopedagogia, São Paulo: Associação Brasileira de Psicopedagogia, n. 61, p. 76-84, 2003
Redes Sociais:
Visitantes: 7486

Deixe um comentário

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *