Sinapses e Farmacologia
  • Olá colegas,
 
  • No cérebro, a maioria das comunicações sinápticas são realizadas por 2 substâncias transmissoras. Glutamato com efeitos excitatórios e GABA com efeitos inibidores. O resto dos transmissores, em geral, servem como moduladores. Ou seja, sua libertação ativa ou inibe circuitos envolvidos em funções cerebrais específicas.
 
  • Cada neurotransmissor liberado espaço sináptico tem sua própria função, e pode até ter várias. Ele se liga a um receptor específico, e também podem influenciar uns aos outros, inibindo ou aumentando o efeito de outro neurotransmissor. Mais de 100 diferentes tipos de neurotransmissores foram detectados e os seguintes são alguns dos mais conhecidos:
  • Acetilcolina: está envolvido na aprendizagem e controle da fase do sono em que os sonhos ocorrem (REM).
  • Serotonina: está relacionada ao sono, humor, emoções, controle de ingestão e dor.
  • Dopamina: envolvida no movimento,  na atenção e na aprendizagem nas emoções. Ela também regula o controle motor.
  • Epinefrina ou adrenalina: é um hormônio que é produzido pela glândula suprarrenal.
  • Norepinefrina ou noradrenalina: sua liberação provoca um aumento na atenção, vigilância. No encéfalo, influencia as respostas emocionais.
 
  • Farmacologia das sinapses

  • Além dos neurotransmissores que são liberados no espaço sináptico, afetando o neurônio receptor, existem substâncias químicas exógenas que podem causar uma resposta igual ou similar. Quando falamos de substâncias exógenas, falamos de substâncias provenientes do exterior do organismo, como os fármacos. Estes podem produzir efeitos agonistas ou antagonistas, e também podem afetar diferentes níveis da sinapse química:

  • Algumas substâncias têm efeitos sobre a síntese das substâncias transmissoras. A síntese da substância é a primeira fase, é possível que a taxa de produção aumente através da administração de um precursor. Um deles é o L-dopa, agonista dopaminérgico.

  • Outros agem sobre o armazenamento e liberação destes. Por exemplo, a reserpina impede o armazenamento de monoaminas nas vesículas sinápticas e, assim, age como um antagonista monoaminérgico.

  • Eles podem ter um efeito sobre os receptores. Algumas substâncias podem aderir aos receptores e ativá-los ou bloqueá-los.

  • Na recaptura ou degradação da substância transmissora. Algumas substâncias exógenas podem prolongar a presença da substância transmissora no espaço sináptico, como a cocaína, o que atrasa a recaptura de noradrenalina.

 
  • Os tratamentos repetidos com um determinado medicamento podem reduzir sua eficácia, que é chamada de tolerância. A tolerância, no caso das drogas, pode levar ao aumento do consumo, aumentando o risco de overdose. No caso dos fármacos, pode causar uma diminuição nos efeitos desejados, o que pode levar ao abandono do remédio.

    Como foi observado, no espaço sináptico as trocas ocorrem entre as células pré e pós-sinápticas pela síntese e liberação de neurotransmissores com vários efeitos em nosso organismo. Este mecanismo complexo também pode ser modulado ou alterado através de vários fármacos.

  • fonte - A mente é Maravilhosa
  • Referências bibliográficas

    • Carlson, n. (1996). Fisiologia do comportamento. Barcelona: Ariel.
    • Haines, de. (2003). Princípios da Neurociência. Madri: Ciência Elsevier.
    • Kandel, E.R., Schwartz, J.H. e Jesell, T.M. (19996). Neurociência e comportamento. Madri: Prentice Hall
Redes Sociais:
Visitantes: 307

Deixe um comentário

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *